segunda-feira, 20 de junho de 2011

Carta XI


O amor pode ser tão mágico como uma valsa bem tocada,
E também ser tão cruel quanto uma peça de balé.
Atrevendo-se a surgir de repente, criando-se no ar,
Sentindo-se no suspiro.
Girar e girar e girar e girar e...
Nunca cessar, nunca se deixar deter, nunca parar...
Castelo de papel,
Com dossel enfeitado com jasmins
De onde nunca acordar
E descansar em paz no fim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget