sábado, 25 de junho de 2011

Carta XVI



Por que sofre?
De o que detesta?
De o que gosta?
Permita-me agradecer que exista?
O que quer para si e apenas a si?
O que procura?
Quais combates quer travar?
Permita-me ficar ao seu lado?

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Não adianta uma árvore sem raízes.


Pronta a dar tudo,
TUDO o que quisesse.
Porém estes atos devem ser justificados,
Quando digo que o motivo é amar a ti
Tudo é lançado à terra,
TUDO é um espectro pálido,
E TUDO o que diria é uma palavra...
UMA, para que eu esteja ao teu lado!

Carta XV


Deitei imóvel, aguardando adormecer
Como faço quando tenho que dormir
E não tenho algum sono...
Imaginei acaricias meus cabelos,
E o beijo de boa noite que me deu.
Imaginei uma cama maior...
...e você acomodar-se junto a mim.
Juntos no mesmo travesseiro.
Mas não, não e não!
Tenho de dormir.
Podem vir os melhores versos,
Mas dormindo posso esquecer,
Por apenas um instante, de ti.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Carta XIV


Conhece o que me alegra,
Conhece o que me entristece,
Conheceo que fiz e faço,
Conhece porque me desespero...

Conheço o que te sorri,
Conheço o que te amarga,
Conheço como agiu e age,
Conheço o que te desespera...

Se não destinados um ao outro,
Seremos anjos defensores um ao outro?
Se um anjo defensor fomos destinados,
Será isto estar com o Bem amado?

Carta XIII






Deixa-me ouvir sua voz
Ao menos este pedaço de ti
Se não o posso ver, se não o posso tocar.
Uma vez apenas, um momento apenas,
Deixa-me ouvir sua voz...

terça-feira, 21 de junho de 2011

Carta XII


Faço um mundo apenas teu
Para que eu possa adorar a penas a ti.
Ver-te ao acordar
Ver-te ao dormir.
Porque tudo o que preciso
É de você junto a mim.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Carta XI


O amor pode ser tão mágico como uma valsa bem tocada,
E também ser tão cruel quanto uma peça de balé.
Atrevendo-se a surgir de repente, criando-se no ar,
Sentindo-se no suspiro.
Girar e girar e girar e girar e...
Nunca cessar, nunca se deixar deter, nunca parar...
Castelo de papel,
Com dossel enfeitado com jasmins
De onde nunca acordar
E descansar em paz no fim...

domingo, 19 de junho de 2011

Carta X


Noite escura, venha agora
E leve toda a solidão e a tristeza deste mundo.
Elas moram em mim hoje.
Leve-me junto.
Não consigo ver adiante,
Sabendo que não está ao meu lado a quem amo.
Mande a embarcação sombria, omissa em nevoeiro
Para me buscar esta noite,
Para aterrorizar alegres,
felizes, apaixonados.
Para que não se aproximem,
Para que não tomem conhecimento.

Mas, noite escura.
Tenha atenção e zelo.
Apenas quem desejo e amo
É de meu merecimento!
Mereço quem eu amo porque é um tesouro,
Porque é o meu mais precioso bem,
Porque é minhas asas, porque é o que me faz viver...
Mereço quem eu amo porque o honro,
Porque o espero, porque apenas o posso amar...
E porque neste vasto oceano no qual me perdi,
Desejo o encontrar.

Se assim for, de encontrá-lo para mim,
Envie a embarcação sombria assim mesmo,
Omissa em nevoeiro e em noite sem luar.
Pois ele encontra-se perdido de mim,
Sem mais saber onde buscar.
Então permita que eu suba a bordo,
E leve o navio aos céus.
Minha alegria será tanta...
Meu amor se manifestará tão forte...
Que a embarcação se iluminará,
E assim o meu amor poderá me encontrar.

sábado, 18 de junho de 2011

Carta V






















Lembrei de você esta noite.
Quando enumerava as bondades do dia nos dedos.
Ao pensar em você derramei lágrimas no travesseiro
Afogando-o com o pranto.
Sob as cobertas, silenciosa,
No quarto escuro, com a porta fechada,
Onde o único ruído foi o vento.
Sorri com tantas coisas boas...
Chorei com apenas uma tristeza...
Pensei em você essa noite.
Lembranças do que nunca aconteceu.
E preferi que fosse um sonho, não haveria lágrimas...
Porque a verdade é que, em sua liberdade, você não é meu.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Carta IX



Um poema não é feito de doces palavras
Ou de nobres sentimentos.
É feito de crueis atos
Daqueles de breves momentos.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Carta VIII

Outro pássaro cantou na janela esta manhã.
Saltando galho a galho.
Sua voz tão aguda...
Porque ele pode gritar à ausência de quem ama
E eu não?

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Carta VII










Eu te amo agora, te amava antes, te amarei depois.

Te amei de um modo, te amo de outro, vou amar de outros.

Mas consequentemente te amarei pra sempre.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Carta VI


A unhas pintadas de cetim
Adornado cada dedo com um zelo
O pulso sobre a toalha de carmim.

O enfeite prateado no cabelo
Sua veste escolhida há tanto tempo
O sorriso em seu rosto apagou luminárias
Refletindo-se no pingente adormecido em seu colo.

Sorri como que tem.
Palavras e gestos,
Olhares apenas para seu bem.

Ergue a taça,
Em brinde ao sentimento seu.
Quisera que não fosse um sonho,
Ou um sonho que nunca passou...

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Carta III


Aqui faleço-me por minha vontade.
Não por meus atos àqueles que sabes,
mas sim por suicídio de minhas palavras.
Àqueles que nunca amaram
Fujam o mal que desconhecem;
Aos corajosos bravos guerreiros,
Estejam cientes do monstro que enfrentam;
Àqueles que cairam no amor
Bem vindos à rua fria ou ao aquecido bosque
Dos quais poucos - muito poucos
Reinou a sorte.

domingo, 12 de junho de 2011
















Doce toque, nota e nota.
A meodia; o tom...
Confinados na mesma música
Pertencentes a eternidade.
Tão próximos. Tão distantes.
Se distanciam. Se completam...
Dominam o ar
Permite o sentimento às pessoas
Nunca a si mesmos,
Pois por mais que nos toque
Não podem se tocar...

sábado, 11 de junho de 2011












É difícil para os indecisos.
É assustador para os medrosos.
Avassalador para os apaixonados!
Mas, os vencedores no amor são os
fortes.
Os que sabem o que querem e querem o que têm!
Sonhar um sonho a dois,
e nunca desistir da busca de ser feliz,
é para poucos!!

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Vida
É o amor existencial.
Razão
É o amor que pondera.
Estudo
É o amor que analisa.
Ciência
É o amor que investiga.
Filosofia
É o amor que pensa.
Religião
É o amor que busca a Deus.
Verdade
É o amor que eterniza.
Ideal
É o amor que se eleva.
É o amor que transcende.
Esperança
É o amor que sonha.
Caridade
É o amor que auxilia.
Fraternidade
É o amor que se expande.
Sacrifício
É o amor que se esforça.
Renúncia
É o amor que depura.
Simpatia
É o amor que sorri.
Trabalho
É o amor que constrói.
Indiferença
É o amor que se esconde.
Desespero
É o amor que se desgoverna.
Paixão
É o amor que se desequilibra.
Ciúme
É o amor que se desvaira.
Orgulho
É o amor que enlouquece.
Sensualismo
É o amor que se envenena.
Finalmente, o ódio, que julgas ser a antítese do amor, não é senão o próprio amor que adoeceu gravemente.





quinta-feira, 9 de junho de 2011


















Quero apenas cinco coisas.
Primeiro é o amor sem fim,
A segunda é ver o outono,
A terceira é o grave inverno,
Em quarto lugar o verão.
A quinta coisa são teus olhos.
Não quero dormir sem teus olhos!
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando...

quarta-feira, 8 de junho de 2011

















Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

Sheakespeare

terça-feira, 7 de junho de 2011

Carta II





Como é difícil amar
Quem não ama-te também.
Bom dia! - cumprimento,
Responde ninguém.
Como está? - pergunto,
Responde ninguém.
Quando alguém responde
Morre-se as palavras...
Pois alguém teme ferir
E o outrem teme calar, novamente, o alguém...

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Carta I

Incapaz de escrever um poema,
Escorre as palavras pelos meus dedos,
Que aqui registram as marcas de meu peito.
Como entender que é um sol, que é um mar,
Que é calor e que é vida
Para minha alma confusa de tantas certeza,
Para o meu coração, para a minha cabeça?

Incapaz de escrever um poema, ainda que sem rimas
Incapaz de descrever o sentimento
Em palavras de entendimento
Pois o amor, ah este não tem som ou figuras
Para descrever a si mesmo.
Tomo mais um gole de vida,
Pois o fôlego está contigo,
Para que possa suportar por mais um momento
A sua ausência em minha vida...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

As sem-razões do amor


Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

domingo, 8 de maio de 2011

Não querem ouvir




Como dizer o que não querem ouvir?
Como diminuir o que sabemos que vai doer?
Não é porque não estamos do outro lado que significa ser menos difícil de ser fazer.
A convivência cria laços, afeto, carinho
nos introduz a um sentimento de que não queremos ver aqueles a quem prezamos sofrer.
Mas como podemos evitar isso?
O sofrimento não é nosso “hora bolas”

Cheguei a conclusão que não importa a forma que se fale
Seja bom ou ruim
Se o sentimento não existe dentro de si não tem como controla-lo
Não se pode forçar o nascimento de um amor, nem tão pouco decepa-lo
Já é difícil controlar nossos próprios sentimentos
Quando mais os dos outros.

Como saber que a amizade vai perdurar?
Contudo, não há o que de ultima hora fazer
Fica o que foi construído com bons alicerces
Resiste, a tempestade, apenas o que for solido
Não há proteção que evite que tudo se transforme em ruinas
Se de areia era o solo infértil que foi erguido o palácio de açúcar.
Em apenas uma gota de lagrima tudo vem abaixo.

E infelizmente não temos como impedir que essa gota escorra.
Mas estou disposta, a estar ali, sempre que preciso for
Para seca-la.


MMP

domingo, 24 de abril de 2011


Quando eu o amarei?
Meu Deus, eu não sei,
Talvez nunca, talvez amanhã.
Mas não hoje, isso é certo.

O amor é um pássaro rebelde
Que nada pode domar
E é simplesmente em vão chamá-lo
Se é conveniente para ele recusar.
Nada funcionará, ameaçar ou suplicar
uma pessoa fala, a outra permanece quieta;
E é a outra que eu prefiro
Ele não disse nada; mas ele me agrada.
Amor! (4x)

Refrão:
o amor é o filho do boêmio,
Ele nunca, nunca conheceu lei alguma
Se você não me ama, eu te amo,
Se eu te amo, proteja-se
Se você não me ama,
Se você não me ama, eu te amo!
Mas, se eu te amo,
Se eu te amo, proteja-se!
Se você não me ama,
Se você não me ama, eu te amo!
Mas, se eu te amo,
Se eu te amo, proteja-se!

O pássaro que você pensou surpreender
Bateu as asas e voou
o amor está longe, você pode esperar por ele
Se você não esperar mais por ele, ele está lá!
Ao seu redor, depressa, depressa,
Ele vem, vai e depois vem de novo
Você pensa em segurá-lo, ele te evita
Você pensa em evitá-lo, ele te segura
Amor, amor, amor, amor!


Carmem Hanabera

domingo, 17 de abril de 2011

Carta de Despedida - Rodrigo Modena

Caros Leitores,

Para nascer uma flor é necessário que seja plantada uma sementinha e depois quando a chuva toca um solo, um milagre acontece e um broto da terra começa a surgir... Passa alguns meses e ali solitariamente começa a crescer, em seguida a ilusão de beleza e perfeição nasce no símbolo de uma flor, mas é apenas uma ilusão...

Pois depois a realidade chega, a mascara cai e fica visível que aquela flor não era bela e sim estava bela por um curto período de tempo e aquilo que era a perfeição num passava de algo frágil que tinha uma breve data de validade. Que logo mais num passará uma flor seca, feia e morta!

A vida também é assim num passa de um jogo de ciclo que acabará de forma seca, feia e também morta, mas nesse ciclo de vida, ou nesse “jogo mortal” existem pessoas que vive esperando o termino na morte. E tem pessoas que vive esperando que vive esperando a morte chegar.

Mas infelizmente tem pessoas que a felicidade foge como um rato foge do gato e essa pessoa acaba vivendo um ciclo igual da flor, porém com uma peculiaridade vai morrendo aos pouquinhos de forma cruel e desumana. Existe uma coisa nós países com pena de morte que diz que qualquer condenado tem o direito a uma morte indolor, mesmo se ele tiver no “Corredor da Morte” ninguém pode mata-lo antes do dia e nem deixar se matar, pois sofrerá dor e se por acaso a pessoa na hora da sentença sentir dor será considerado um crime.

E eu estou me sentindo assim em uma morte lenta e dolorida, a pior forma de morrer é morrer por amor. Belo como uma flor e mortal como uma estaca de ferro!

Rodrigo Modena

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Recomeça... se puderes,
sem angústia e sem pressa
e os passos que deres,
nesse caminho duro do futuro,
dá-os em liberdade,
enquanto não alcances
não descanses,
de nenhum fruto queiras só metade.
[Miguel Torga]

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Blues da morte de amor


já ninguém morre de amor, eu uma vez
andei lá perto, estive mesmo quase,
era um tempo de humores bem sacudidos,
depressões sincopadas, bem graves, minha querida,
mas afinal não morri, como se vê, ah, não,
passava o tempo a ouvir deus e música de jazz,
emagreci bastante, mas safei-me à justa, oh yes,
ah, sim, pela noite dentro, minha querida.

a gente sopra e não atina, há um aperto
no coração, uma tensão no clarinete e
tão desgraçado o que senti, mas realmente,
mas realmente eu nunca tive jeito, ah, não,
eu nunca tive queda para kamikaze,
é tudo uma questão de swing, de swing, minha querida,
saber sair a tempo, saber sair, é claro, mas saber,
e eu não me arrependi, minha querida, ah, não, ah, sim.

há ritmos na rua que vêm de casa em casa,
ao acender das luzes, uma aqui, outra ali.
mas pode ser que o vendaval um qualquer dia venha
no lusco-fusco da canção parar à minha casa,
o que eu nunca pedi, ah, não, manda calar a gente,
minha querida, toda a gente do bairro,
e então murmurarei, a ver fugir a escala
do clarinete: — morrer ou não morrer, darling, ah, sim.



[Vasco Graça Moura, in "Antologia dos Sessenta Anos"]

domingo, 10 de abril de 2011

Leão


A mulher de leão
Brilha na escuridão
A mulher de leão,
Mesmo sem fome
Pega, mata e come
A mulher de leão
Não tem perdão
As mulheres de leão
Leoas são
Poeta, operário, capitão
Cuidado com a mulher de leão!
São ciumentas e antagônicas
Solares e dominicais
Ígneas, áureas e sardônicas
E muito, muito liberais 

sexta-feira, 8 de abril de 2011


Sem seu amor é como uma prisão
O fato de eu ter nascido seria a punição?
Pois vê-lo, sem poder o tocar
Proibe-me de amar.
Lierta-me desta casca,
Que me impede de amar...



Astehria

sábado, 2 de abril de 2011


Fortaleza que cresce, semente de pedra. Abrigo de cego que o cerca. Muro de espinhos oculto em perfumadas flores, traiçoeira armadilha para tantos amores. Bem aventurado aquele que salta sobre, que fere as mãos ao atrever-se ao amor, toma a rua caudalosa e afoga-se em paixão.
Unidos por este elo são levados ao sabor da água, sofrendo cada momento, cada abraço, cada beijo, cada sentimento.

O mundo ainda gira, os pássaros anda cantam e voam, as ondas continuam a quebrar...
...apenas por lhe amar.

Não queira tentar compreender


A quem for esse poema ler,

Não insista em tentar entender,

Algo que não basta compreender.

Sei que meu destino já está traçado,

Não tem como ao passado retornar,

Por isso uma decisão terei que tomar.

O tempo vai sempre está me torturar,

E eu sempre tentando compreender

Aquilo que não tem o que entender

E assim, nessa escuridão, vou morrer!

Rodrigo Modena

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Mulheres - Vinicius de Moraes

Gêmeos





A mulher de gêmeos

Não sabe o que quer
Mas tirante isso
É uma boa mulher
A mulher de gêmeos
Não sabe o que diz
Mas tirante isso
Faz o homem feliz
A mulher de gêmeos
Não sabe o que faz
Mas por isso mesmo
É boa demais...

quarta-feira, 30 de março de 2011


"A pagina aberta da vida é bela; mais bela, porém, é aquela que se deve abrir."


[Pannzini]

segunda-feira, 28 de março de 2011

...enquanto não nos espreita





















Ama-me amor, enquanto a lua se esconde,
Antes que surja novamente a nos observar,
Cheia e repleta de desejo a alimentar-se em nosso amor.

Venha amor, aproxime-se de mim,
Deite-se ao meu lado, escuta a batida de meu peito
Que ansioso sente seu cheiro.
Que ansioso observa seus passos.

Permita-me perder meus dedos em teus cabelo e ter seu sabor em meu lábios.
Permita-me trilhar o caminho de seu corpo e enlaçar seu pescoço e sussurrar.
Permita-se deixar-se enlouquecer e afogar nossos desejos...

Aproveitemos enquanto a lua não observa.
Aproveitemos enquanto estamos nos braços um do outro.
Aproveitemos enquanto a manhã desesperada nos espera,
Quando teremos outra lua em outra noite.

domingo, 27 de março de 2011

Amor?!

Amor é algo que não vem pronto, não tem fórmula e muito menos é lógico. Amor é a união de detalhes que une sentimentos de felicidade, alegria, saudade, esperança, tristeza, dor ansiedade... E o sentimento X, sentimento esse que não existe explicação e nem nome por isso chamado de X, mas ele é o que dá o friozinho na barriga e dessa união nasce o Amor.

Amor não é sentimento e sim uma união de sentimentos, aquele que disser que amor é um sentimento engana-se. Amor é a união de todos sentimentos que conhecemos sejam eles bons ou ruins, porém todos estão lá. E depende de nós construir amor com sentimentos bons e o ruim fica para dar um equilíbrio a uma construção frágil e delicada. Amor deve ser construído a cada minuto, com pequenos detalhes que fazem toda a diferença para um amor crescer e sobreviver.

Rodrigo Modena

sábado, 26 de março de 2011

Abraço

Abraçar faz bem à saúde:
é profundamente relaxante e até ajuda a manter a imunidade alta e enfrentar melhor o estresse.

Aproveite o dia para sair por ai distribuindo abraços e afeto.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Mulheres - Vinicius de Moraes


Touro
(de 21 de abril a 20 de maio)

O que é que brilha sem
Ser ouro? – A mulher de Touro!
É a companheira perfeita
Quando levanta ou quando deita.
Mas é mulher exclusivista
Se não tem tudo, faz a pista.
Depois, que dona-de-casa...
E a noite ainda manda brasa.
Sua virtude: a paciência
Seu dia bom: a sexta-feira
Sua cor propícia: o verde
As flores dos seus pendores:
Rosa, flor de macieira.

Vinícius de Moraes

quarta-feira, 23 de março de 2011

Sem Você - Poema de Raul Seixas



Jamais estive tão seguro de mim mesmo
quando escolhi a letra certa do grande amor
não é possível que meu coração me engane
o que ele sente é positivamente amor
Into é inveja, fruto vindo de infortúnio
de infelizes que o amor não conheceu
Se Deus quisesse que esse ciúme me deixasse
não teria indicado com um presente seu
Uma paixão pode ser vista pelos olhos
daquele alguém que traz um brilho interior
o nosso amor se corresponde muito atualmente
nós somos surdos para o falso relator
a nossa vida tão completa de harmonia
que não dá margem para o nosso amor morrer
se desse ouvidos olha só a maldade vinha
minha vida ao invés de cheia era vazia sem você


Raul Seixas

terça-feira, 22 de março de 2011


Respire em mim... fundo,
Para que eu respire... e viva.
E me abrace apertado para eu dormir
Suavemente segura por tudo que você dá.

Venha me beijar, vento, e tire meu fôlego
Até que você e eu sejamos um só,
E dançaremos entre os túmulos
Até que toda a morte se vá.

E ninguém saiba que existimos
Nos braços um do outro,
A não ser Aquele q soprou o hálito
Que me esconde livre do mal.

Venha me beijar, vento, e tire meu fôlego
Até que você e eu sejamos um só,
E dançaremos entre os túmulos
Até que toda a morte se vá.

[Trecho do livro Cabana]

sábado, 19 de março de 2011

Meu anjo...


Tenho observado como algumas pessoas têm sido privilegiadas. Quantas delas vivem em companhias agradáveis e parecem estar completas. Parecem ter atingido o objetivo de suas vidas.
Por outro lado, tenho observado a minha própria vida. Como é ruim viver só, sem companhia, sem rumo...
Sinto-me tão desprotegida em meio aos problemas dessa vida, sem orientação em meio a violência dessa cidade. Minha vida tem estado tão conturbada, que acho que irei apelar. Sim, apelar para a tua proteção.
Preciso de alguém que cuide de mim, que me proteja, que me traga sentido para a vida, e elegi você para essa tarefa.
Venha cuidar de mim. Venha proteger-me. Venha guiar-me e dar um novo sentido à minha existência, já tão sem sentido. Venha abraçar-me e guardar-me bem próxima ao teu corpo. Preciso de você ao meu lado e, neste momento, rendo-me aos teus cuidados, meu anjo...


[Cartas de amor em Livro - YASNAYA]

sexta-feira, 18 de março de 2011

ÁRIES (de 21 de março a 20 de abril)

Branca, preta ou amarela
A ariana zela.
Tem caráter dominador
Mas pode ser convencida
E aí, então, fica uma flor:
Cordata... e nada convencida.
Porque o seu denominador
É o amor.
Eu cá por mim não tenho nenhum preconceito racial:
Mas sou ariano!

quarta-feira, 16 de março de 2011

MMP - TE AMO



Ah, este amor!...

De onde vem essa força que me prende em seus olhos? Para onde vão esses prantos que por ti choro. Que fazer para obtê-lo por um momento, como tirar sua imagem doce do meu pensamento? Como perder-me por um instante em seus cabelos? Como fazer você responder aos meus apelos...

Meus olhos cantam uma canção de amor por ti, canção tão linda que nem no mar jamais ouvi.

Se pudesse tocar seus lábios dóceis e quentes, tocar seu corpo, sem machucar sua pele frágil e nos seus braços fechar os olhos eternamente.

Menino puro, como és formoso, tão belo e meigo, maravilhoso, tem nas curvas do corpo o desejo proibido, no brilho dos olhos, a dúvida ao meu pedido. Sei que não adianta fazer mais e mais poesias, pois nenhuma delas explicaria você que é um ser sensacional e maravilhoso.

Hoje, ao fim da tarde, parei tudo que estava fazendo para pensar em você, você que foi e será tudo o que eu quero, você que mostrou a alegria quando eu sofria, você que fez eu esquecer quem não me queria, você que acabou com o meu sofrer e disse para coisas boas eu fazer. Olha! Tem pessoas que passam por nossas vidas, levam um pouco e deixam um pouco de si. Há pessoas que levam muito e deixam pouco, há, porém pessoas que passam... ficam e você passou... ficou!



[Sônia Maria dos Santos]

O Tempo


Tempo é uma viagem sem volta,
E nessa jornada junto com ele está,
O espaço, o amor e a felicidade,
No escuro de um beco na cidade.

Amor nasce no ritmo do tempo,
Longo, curto, lento ou rápido.
Só é necessário uma flechada do cupido,
Para o amor ali nascer ao luar.

Lua essa que está a observar,
Eu nesse momento a criar,
Esse poema para a mulher amada,
Que fez meu coração sua morada.

Mostrando q simplicidade do amor,
Que pode surgir numa breve noite de calor.
Um gesto, uma palavra, olhar.
Um amor nascendo ao tempo do amor!

Eu Te Amo!


Rodrigo Modena

terça-feira, 15 de março de 2011




Meus passos sentiram do caminho cada pétala,
Meu olfato cada perfume,
Meus olhos a suave luz das velas,
Meu corpo os lençóis preparados...

Meus ouvidos provaram de suas palavras,
Meus cabelos de seu toque,
Meu desejo a sua alma,
Meu íntimo cada pecado...

Minha mente só pensa em ti desde a alvorada,
Meu espírito o deseja por toda a madrugada,
Por isso lhe busco esta noite meu bem,
Para que eu nunca mais o perca


Astehria

Ocorreu um erro neste gadget